sábado, janeiro 29

A etimologia das palavras demônio e diabo



O texto abaixo é fruto de uma noite de reflexões virtuais com meu estimado aluno André Gabriel, que lançou algumas provocações e seguimos construindo o dialogo juntos, assim como era na antiguidade grega, no auge da filosofia clássica.

Um demónio ou demônio, ou ainda, daimon ou daemon é originalmente um tipo de ser que em muito se distanciou, mesmo que ainda se assemelhe, aos gênios da mitologia árabe, pois ao longo dos anos a sua descrição mudou, e segundo a maior parte das religiões, que dividem-se no mundo de forma maniqueísta, como judaico-cristão, é um ser intermediário entre o homem e Deus, tipicamente descrita como um espírito do Mal, embora originalmente a palavra demónio, criada pelos gregos, signifique a voz interior, ou o deus que vive dentro de nós e nos aconselha, mas também pode ser a fonte de ódio.

Contudo se considerarmos como os cristãos medievais que demônio é sinônimo de diabo, em hebraico antigo a palavra diabo vem de diabolos, diabulum, que significa aquele que divide, que separa, que causa discórdia, que separa uma comunidade.
Neste Aspecto a filosofia de Santo Agostinho encontra a base para afirmar que o mal em si, como um ser personificado, não existe, o que existe é ausência do bem, assim como a escuridão em si não existe e sim a falta da luz.

É necessário sempre contextualizar a etimologia da palavra, pensar no povo, no momento histórico que deu sentido e “nascimento” para a palavra. No caso dos hebreus da antiguidade havia a extrema necessidade de colocar ordem e união na nova comunidade que se reerguia com a fuga do Egito. Por isso a enorme repugnância a qualquer forma de separação, divisão, era urgente a união entre eles.

Autoria especulativa de André Gabriel, e eu aqui todo orgulhoso rsrs


4 comentários:

Manuel disse...

Não me parece que Santo Agostinho, Doutor da Igreja, possa ter feito tal afirmação, já que se encontra em total contradição com o que a Igreja afirma sobre a existência do Demónio, não como figurativo do mal, mas sim como ser real, tal qual um Anjo. Aliaz, até usa a expressão, referindo-se aos Diabos, Anjos caidos.

Luciane Costa e Silva disse...

Queria ter um aluno assim!!! Tb estou orgulhosa do Gabriel!

Racionalização dos Povos disse...

Se o diabo existe assim como define a igreja, qual a razão de vermos diabos em figuras de gente e não como anjos do mal alados e sobrevoando o espaço? A igreja é suas teorias medievais. Não é à toa que a religião está falida e perdendo adeptos.

Racionalização dos Povos disse...

Se o diabo existe assim como define a igreja, qual a razão de vermos diabos em figuras de gente e não como anjos do mal alados e sobrevoando o espaço? A igreja é suas teorias medievais. Não é à toa que a religião está falida e perdendo adeptos.